Crítica: Os Vingadores – The Avengers

Em 2008, após os créditos do excelente Homem de Ferro, os fãs da Marvel foram pegos de surpresa com a aparição de Samuel L. Jackson como Nick Fury, informando a Tony Stark sobre o projeto de montarem uma equipe chamada Os Vingadores. Ali começou, de fato, a construção de algo maior como este filme com a reunião de vários super-heróis dos quadrinhos.

Logo depois, ainda no mesmo ano, isso se confirmou com Tony Stark também aparecendo no final de O Incrível Hulk, falando sobre esta equipe de heróis. Depois vieram Homem de Ferro 2, Thor, Capitão América e a Marvel continuava abrindo seu leque de personagens para depois reuni-los aqui, em Os Vingadores – The Avengers (diga-se de passagem, que título tosco em português, né?).

Sem a necessidade de introduzir os personagens, já que todos os principais já tinham seus filmes próprios ou, no caso da Viúva Negra e do Gavião Arqueiro, já haviam participado de outros longas, a Marvel conseguiu o que a maior parte das pessoas achava muito difícil (impossível?): reunir vários super-heróis num mesmo filme, sem que eles fiquem apenas jogados de qualquer jeito na trama, sem grande importância, com apenas uma ou outra cena de destaque.

Aqui, embora sempre tenha um ou outro que apareça um pouco mais, Capitão América, Homem de Ferro, Hulk, Thor, Viúva Negra e Gavião Arqueiro são todos muito bem explorados, cada um em sua especialidade, e sempre servindo para o todo do filme. Mesmo para quem temia que estes dois últimos ficassem apagados por conta de não terem grandes poderes e serem “apenas” agentes da S.H.I.E.L.D. (Supreme Headquarters of International Espionage and Law-Enforcement Division), esse receio deve ter sido superado.

Com um roteiro simples, mas que favorece o que realmente importa, as cenas de ação, o diretor Joss Whedon soube explorar o melhor de cada um de seus personagens, inclusive do vilão Loki, já visto anteriormente em Thor. Na trama, Loki é enviado para a terra pela raça Chitauri, que pretende dominar os humanos, mas que precisa da ajuda do irmão de Thor para conseguir o cubo Tesseract, que está com a S.H.I.E.L.D., capaz de abrir um portal entre os dois mundos. Depois que Loki domina o doutor Selvig, o Gavião Arqueiro e rouba o cubo, Nick Fury se vê obrigado a reunir pela primeira vez Os Vingadores, para tentar reaver o objeto.

Mas, como já era de se esperar em uma reunião com tantos heróis de poderes equivalentes (e que se complementam), a briga de egos não seria das menores. Até que todos se entendam e passem a trabalhar juntos por um único objetivo, vários conflitos internos marcam os primeiros encontros dos Vingadores, em especial a luta entre Homem de Ferro e Thor, que em certo momento ganha a participação do Capitão América.

A química entre os personagens é excelente. Tony Stark continua o mesmo sujeito irônico que já vimos nos dois Homem de Ferro, mas é ainda mais legal quando suas piadas são direcionadas a Bruce Banner, Thor e Capitão América. Aliás, parece que a única a se salvar das piadas de Robert Downey Jr. é Scarlett Johansson, como Viúva Negra. Até o vilão Loki, muito bem interpretado por Tom Hiddleston, vira piada nas mãos de Tony Stark.

Aliás, ótima escolha da Marvel para o vilão. Embora Thor não tenha sido um grande filme, é inegável que Loki é um antagonista muito interessante, que ultrapassa a barreira do personagem caricato (como foi o caso do Caveira Vermelha em Capitão América) e tem sua personalidade dúbia, sempre conflituosa por conta da sua relação familiar com Thor e o mundo de Asgard. Hiddleston, que em vários momentos me lembra o ator Michael Fassbender, faz de Loki um vilão sarcástico, que até se assemelha um pouco (eu disse um pouco, fãs exaltados) com o Coringa de Heath Ledger, embora este tenha sido um personagem muito superior.

Enfim, Os Vingadores é, sem dúvida alguma, um dos maiores (o maior?) filmes de super-heróis já produzidos. Tem excelentes personagens e atuações, muita ação, conflitos e doses cavalares de bom humor, que fazem do filme 2 horas e 22 minutos de muita diversão, que é apenas o que um filme desse tipo tem a obrigação de oferecer. Nenhuma obra desse gênero precisa salvar o mundo, deixemos isso para os super-heróis e suas resoluções absurdas. Ah, e só para lembrá-los: HULK SMASH!!!

VOTE NA NOSSA ENQUETE!
Qual você acha que será o grande filme nerd desse ano?

Curta nossa página no Facebook e siga o nosso Twitter.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on TumblrEmail this to someone

Jornalista e crítico de cinema. Coautor do livrorreportagem Cine Belas Artes: Um Olhar Sobre os Cinemas de Rua de São Paulo. Acha O Poderoso Chefão o melhor filme do mundo, mas torce todos os dias para assistir a algum que o supere. Ainda não encontrou, mas continua buscando. E-mail: carlos@setimacena.com // Letterboxd: @CarlosCarvalho

Comentários

  1. leo disse:

    Não é melhor que Superman de 78 e TDK

  2. Liefeld Meio Cyborg disse:

    Há alguns meses quando anunciaram o filme dos Vingaderos, eu realmente fiquei preocupado, pois, com exceção de X-Men 2, sempre que tentam reunir muitos personagens num filme, a coisa fede.Meu temor só aumentou depois de assistir ao filmes Homem de Ferro 2 (nem preciso comentar o lixo que é) e ao do Thor (meu personagem favorito dentro do universo Marvel), que, se não é uma bomba como Latrina Verde, Quarteto Fantárdigo, WolverEmo, HF 2 e Motoqueiro Mijão, mostrou-se um filme bem fraco, principalmente nos momentos Malhação entre a Paquita e a gostosa da Natalie Portman e nos momentos Power Rangers, quando a galerinha de Asgard desce à Terra para aprontar altas confusões. Depois veio o filme do Capitas e meu temor arrefeceu-se um pouco. Mas só um pouco, pois, se o filme não é ruim, também não é bom. É aquele tipo de filme bem mediano, que você assiste e diz “é…legal…”
    E eis que o dia 27 chegou…
    E, caralho!! Quando vi o Hulk arrebentando os aliens olhei para os céus e pensei “minhas preces nerds foram ouvidas, amanhã mesmo faço uma carteirinha do fã clube do Whedon para ficar ao lado da minha do fã clube do Nolan (que rezo para não ter de rasgar dia 27 de Julho)
    Caralho!! Caralho!!! Que filme foda… QUE FILME FODA!!!!!!Não é um foda estilo Batman TDK ou Amnésia, filmes com história profunda e roteiro que eleva o cinema à categoria de arte (como Watchmen faz com os quadrinhos). Não… É um foda no estilo: “Pague 25 contos pelo ingresso e nós prometemos diversão pura e empolgação em todas as cenas de ação”
    E o filme realmente cumpre a sua promessa. PUTA QUE PARIU!! O que é aquela cena do Hulk arrebentando o Loki!!??!! FODA, FODA!!
    E quando o Thanos apareceu na metade dos créditos juro que eu derramei uma lágrima nerd. E o mais legal foi perceber que nessa cena somente aqueles que realmente amam quadrinhos aplaudiram e entenderam quem estava ali. Sim, esse meu comentário pode parecer meio estranho, mas desculpem esse velho nerd que sempre desejou ver seus personagens favoritos retratados de forma decente na tela grande. Nós, que sempre somos subestimados como público em adaptações que visam a agradar a todos, mas que se esquecem que nós é que sempre sustentamos a indústria de quadrinhos e que tudo o que desejamos é ver os personagens que acompanhamos durante anos retratados na telona de maneira digna.
    Minha única crítica vai para o excesso de piadas. Mas nada que chegue a arranhar a maravilha que é esse filme.
    No final, só posso dizer que Vingadores é o ápice do bom massaveísmo. É filme de ação e aventura que não chama o espectador de burro (Transformers, alguém??) e entrega tudo o que prometeu: 2 horas de pura diversão e emoção. É filme que conseguiu transportar a linguagem dos quadrinhos para o cinema de forma magistral. Daquele tipo que não se leva a sério e nem pede que o espectador o leve a sério, mas que faz qualquer nerd velho, gordo e careca chorar de emoção.
    Minha nota final 9,5 por conta do excesso de piadinhas (e também porque a cueca verde que uso atarracada na bunda não me permite dar nota 10).
    Ps 1 – Reparem que o Loki usa a joia do infinito da mente no seu cajado.
    Ps 2 – Rezo para que São Nolan consiga dar um fim digno a trilogia Batman
    Ps 3 – Quero beijar os pés do Joss Whedon (sim, significa fudidamente!! e dicunforça!!)
    Ps 4 – ACORDEM EXECUTIVOS DA WARNER, PORQUE AGORA A ÁGUA BATEU NA BUNDA. (mas acho que gritar com macacos não adianta muito…)