Oscar 2013: Anne Hathaway

A nova bonequinha de luxo. Talvez não seja demais tratar Anne Hathaway como uma legítima sucessora de Audrey Hepburn. Uma das mais belas atrizes de sua geração, Anne também já deu vários exemplos de que também é uma boa atriz. E versátil. Começou sua carreira no seriado de TV Caia na Real, em 1999, e em 2001 estreava no cinema com o filme da Disney O Diário da Princesa, que vocês devem ter se cansado de assistir nas Sessões da Tarde da última década. No filme, ela contracena com Julie Andrews.

Ainda pela Disney, a atriz viraria a real personificação da princesa do estúdio com Uma Garota Encantada e a continuação de seu primeiro filme, O Diário da Princesa 2. Em 2005, Anne emprestou sua voz para a personagem Chapeuzinho Vermelho na animação Deu a Louca na Chapeuzinho, que também contou com vozes de Glenn Close e James Belushi. Mas seu grande filme de destaque nesse ano foi O Segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee, no qual interpreta a esposa do cowboy vivido por Jake Gyllenhaal.

O Segredo de Brokeback Mountain

No ano seguinte, a atriz teve seu, até então, maior sucesso de público nos cinemas com a comédia O Diabo Veste Prada, onde contracena com Meryl Streep. Viveu Jane Austen em Amor e Inocência, de 2007, e a Agente 99, na comédia Agente 86, com Steve Carrell. Anne recebeu sua primeira indicação ao Oscar por O Casamento de Rachel, de 2008, e depois foi uma das (dezenas de) estrelas da comédia romântica Idas e Vindas do Amor. Ainda viveu a Rainha Branca em Alice no País das Maravilhas, de Tim Burton, e voltou a contracenar com Jake Gyllenhaal, em Amor e Outras Drogas.

Em 2011, a atriz emprestou novamente sua voz a um personagem animado, desta vez no filme do brasileiro Carlos Saldanha, Rio, e protagonizou a adaptação do best seller Um Dia, com Jim Sturgess. Até que chegamos a 2012 e Anne teve de mostrar algo a mais do que apenas a mocinha bonitinha das comédias românticas que fez ao longo da carreira.

O primeiro desafio foi o de assumir a icônica personagem Mulher-Gato, já eternizada por Michelle Pfeiffer, na terceira e última parte da trilogia Batman, de Christopher Nolan, Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge. No longa, a moça teve de demonstrar todo seu sex appeal para viver a ladra Selina Kyle.

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Em seguida, assumiu o papel da prostituta Fantine na adaptação de Os Miseráveis, longa que lhe rendeu agora sua segunda indicação ao prêmio da Academia, desta vez na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante. Anne está muito bem no irregular filme de Tom Hooper, e demonstra muito talento também cantando. O que, convenhamos, já havia mostrado em duas oportunidades no Oscar, uma delas ao lado de Hugh Jackman, seu parceiro de cena em Os Miseráveis.

Anne tem recebido muitos elogios por sua interpretação da canção I Dreamed a Dream, no musical. Mas há quem diga que a moça conseguiu sua indicação apenas por essa música, já que alguns críticos andam dizendo que ela aparece muito pouco no filme, o que discordo. Mas eu me pergunto: por que não falam a mesma coisa sobre a Jacki Weaver, que não deve ter mais do que três ou quatro cenas curtas em O Lado Bom da Vida?

O fato é que, independentemente de seu tempo em cena, Anne Hathaway dispara como a grande favorita ao prêmio na noite do dia 24, pois tem faturado alguns dos prêmios mais importantes da temporada, como o Globo de Ouro e o SAG. Vai ser difícil alguém tirar de suas mãos a estatueta dourada mais cobiçada entre os astros de Hollywood.

Os Miseráveis

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on TumblrEmail this to someone

Jornalista e crítico de cinema. Coautor do livrorreportagem Cine Belas Artes: Um Olhar Sobre os Cinemas de Rua de São Paulo. Acha O Poderoso Chefão o melhor filme do mundo, mas torce todos os dias para assistir a algum que o supere. Ainda não encontrou, mas continua buscando. E-mail: carlos@setimacena.com // Letterboxd: @CarlosCarvalho