Oscar 2013: Sally Field

sally lincoln

Nunca fui muito fã de Sally Field. Talvez por isso tenha achado a atuação dela em Lincoln, de Steven Spielberg, exagerada e careteira. Por este filme, inclusive, ela concorre ao Oscar de Atriz Coadjuvante, podendo conquistar assim a terceira estatueta dourada de sua carreira.

Ela já ganhou em 1980, pelo drama engajado Norma Rae, pelo qual também recebeu o prêmio de Melhor Interpretação Feminina em Cannes; e, em 1985, com o meloso Um lugar no Coração. Este último prêmio, aliás, ficou marcado por aquele famoso e irritante discurso de Sally na cerimônia de premiação do Oscar. “Vocês me amam, vocês realmente me amam”.

Com duas estatuetas de Melhor Atriz na estante, ela direcionou a carreira em produções água com açúcar como O Romance de Murphy, Palco das Ilusões e Flores de Aço, que, além de revelar Julia Roberts, também contava com Shirley Maclaine no elenco.

norma

Já na década de 1990, ela foi a ex-esposa de Robin Williams, na comédia Uma Babá Quase Perfeita; e até mandou bem em Forrest Gump, o Contador de Histórias, vivendo a mãe do protagonista Tom Hanks, mesmo sendo, apenas, 10 anos mais velha que o ator; e dividiu as telas com Ed Harris e Kiefer Sutherland (o bom e velho Jack Bauer) no chato Olho por Olho.

Após se dedicar um tempo à televisão, atuando, principalmente, nas séries Plantão Médico e Brothers & Sisters (recebendo um Emmy por cada uma delas), Sally Field retornou ao cinema em 2012 e, além de Lincoln, esteve em O Espetacular Homem–Aranha, na qual interpreta uma Tia May bem mais irritante e caricata do que a vivida por Rosemary Harris, na trilogia de Sam Raimi.

Embora pouco provável, Sally Field parece ser a única capaz de tirar o Oscar de Coadjuvante das mãos de Anne Hathaway. E se isto realmente acontecer, ela estará no mesmo patamar que Meryl Streep, que ostenta (com justiça) três estatuetas douradas. Agora diga francamente: Sally merece este reconhecimento todo?

tia may

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on TumblrEmail this to someone

Jornalista, fã incondicional de Nick Hornby e coautor do livro inédito Cine Belas Artes: Um Olhar Sobre os Cinemas de Rua de São Paulo. Ainda não viu nada melhor que Asas do Desejo, de Wim Wenders... Mas Beleza Americana chegou perto. e-mail: cristiano@setimacena.com