OSCAR 2014: Melhor Montagem

alfonso

Cuarón é um dos favoritos pela montagem de Gravidade

Em continuidade ao nosso Especial do Oscar 2014, que já falou sobre os indicados a Melhor Canção Original, hoje chegou a vez de destacar a categoria Melhor Montagem, também conhecida como Edição. Neste ano, os longas concorrentes são, Trapaça, 12 Anos de Escravidão, Clube de Compras Dallas, Capitão Phillips e Gravidade, estes dois últimos, até o momento, são os principais favoritos ao prêmio.

O montador é o profissional responsável por organizar todo o material filmado de um longa para que seja encadeado cena a cena. Ele também tem a missão de definir o momento exato de cada corte do filme, verificar qual take é o mais adequado para passar a mensagem esperada e, se necessário, eliminar os possíveis erros de continuidade das produções. E, quando algumas falhas escapam, acabam surgindo momentos constrangedores, como os desse vídeo:

Ou este, que é dedicado apenas ao longa Homem-Aranha:

A montagem de um filme é realizada na ilha de edição pelo montador, normalmente, sob a supervisão do diretor do longa. Mas alguns diretores preferem colocar a mão na massa e montar os próprios filmes, como Alfonso Cuarón, que realizou a edição de Gravidade, em parceria com Mark Sanger.

Para se ter uma ideia da importância desta categoria na premiação do Oscar, alguns especialistas no prêmio da Academia apontam que, normalmente, o longa vencedor na categoria de Montagem também costuma faturar o Oscar de Melhor Filme. Como nos aqui do Sétima Cena somos curiosos, fizemos um levantamento para constatar se esta informação é verdadeira. O resultado você acompanha a seguir:

DOBRADINHA MELHOR MONTAGEM/ MELHOR FILME

O Oscar de Melhor Montagem foi entregue pela primeira vez em 1935, seis anos após a criação do prêmio da Academia. Na ocasião, o montador Conrad A. Nervig ficou com a estatueta por Eskimo, porém este longa nem chegou a ser indicado ao Oscar de Melhor Filme. Vale destacar que dos 79 filmes vencedores da categoria de Melhor Montagem, 14 deles nem foram indicados ao prêmio de Melhor Filme, por exemplo, Matrix, O Ultimato Bourne e, mais recentemente, Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres.

A primeira vez que um longa levou as estatuetas de Melhor Filme e de Melhor Montagem na mesma cerimônia foi em 1940. E sabem qual foi o responsável pelo feito? O grande clássico E o Vento Levou…Esta dobradinha, por sinal, aconteceu apenas em mais 33 ocasiões em toda a história do prêmio, incluindo, o vencedor do ano passado, Argo, que também abocanhou a estatueta de Roteiro Adaptado. Ou seja, de 79 filmes vencedores da categoria de Melhor Montagem, somente 34 deles conquistaram o principal prêmio da Academia, o que totaliza 43% de aproveitamento.

Ok, sabemos que não somos nenhum estatístico gabaritado e tal, mas convenhamos que este percentual ajuda a jogar um balde de água fria na previsão destes especialistas, já que a dobradinha aconteceu menos da metade do total da entrega do Oscar. O mais correto, então, seria dizer que: PARA GANHAR O OSCAR DE MELHOR FILME, O LONGA PRECISA, PELO MENOS, TER SIDO INDICADO PELA MONTAGEM, pois esta coincidência aconteceu em 71 oportunidades, desde que a categoria de edição foi criada, o que representa um total de 89, 87%. Cá entre nós, um belo percentual, não é mesmo?

Curiosidades sobre o prêmio de Melhor Montagem:

  • Com três estatuetas cada, quatro montadores dividem o status de maiores vencedores da categoria. Ralph Dawson (As Aventuras de Robin Hood, Adversidade e Sonho de Uma Noite de Verão), Michael Khan, (Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida, A Lista de Schindler e O Resgate do Soldado Ryan) – como puderam perceber, Khan é o montador favorito de Steven Spielberg-, Daniel Mandell (Se Meu Apartamento Falasse, Os Melhores Anos de Nossas Vidas e Ídolo, Amante e Herói) e, claro, a montadora preferida de Martin Scorsese, Thelma Schoonmaker (Touro Indomável, O Aviador e Os infiltrados), que poderia muito bem ter sido indicada este ano pelo excelente trabalho em O Lobo de Wall Street, né, Academia?

thelma

  • Thelma Shoonmaker com uma de suas três estatuetas
  • Quando se fala em maiores indicados da categoria, Khan não deixa espaço para a concorrência e lidera com oito nomeações. Além das três mencionadas acima, ele foi lembrado pelas montagens de Contatos Imediatos de Terceiro Grau, Império do Sol, Munique, Lincoln e Atração Fatal, único longa da relação que que não foi dirigido por Spielberg.
  • O único brasileiro indicado na categoria foi Daniel Rezende, em 2004, pelo excelente trabalho em Cidade de Deus. Mas, infelizmente, aquele foi ano em que O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei converteu todas as 11 indicações em estatuetas, incluindo a de Melhor Montagem, para Jamie Selkirk.
  • Apenas oito produções venceram o Oscar de Melhor Filme sem ter sido indicadas como Melhor Montagem. Nesta lista, constam filmes consagrados, como O Poderoso ChefãoParte 2 e Noivo Neurótico, Noiva Nervosa. Mas não custa lembrar que o último longa que se enquadra neste quesito é Gente como a Gente, há longínquos 33 anos.annie hall
  • Três montadores obtiveram indicações póstumas ao Oscar. Frederic Knudtson, por Deu a Louca no Mundo, Stuart Gilmore, por O Enigma de Andrômeda e Robert L. Rolfe, por Num Lago Dourado. Nenhum deles venceu.
  • Quatro editores receberam indicações duplas numa mesma premiação: Tom Held, em 1939, por Piloto de Prova e The Great Waltz (curiosamente as únicas duas nomeações da carreira dele); Gerald B. Greenberg, por Apocalypse Now e Kramer vs Kramer, em 1980; Michael Kahn, em 1988, por Atração Fatal e Império do Sol; Walter Murch, por Ghost e O Poderoso Chefão – Parte 3, em 1991; e William Goldenberg, no ano passado, que foi indicado por A Hora mais Escura e por Argo e faturou a estatueta por este último. Os demais duplamente indicados ficaram sem nenhuma estatueta.
  • Os irmãos Coen costumam produzir, dirigir e roteirizar os seus próprios longas. Mas o que quase ninguém sabe é que a dupla também é responsável pela montagem de seus filmes, porém sob o pseudônimo de Roderick James. Com esta identidade falsa, eles receberam duas indicações ao Oscar pela montagem de Fargo, em 1997, e por Onde os Fracos não têm vez, em 2008. Infelizmente, James não levou nenhuma dessas estatueta para casa.
  • Outro diretor de Hollywood conhecido por usar pseudônimos na ilha de edição é Steven Soderbergh, mas a identidade falsa dele é um pouquinho mais radical que às dos irmãos Coen. Para montar as produções A Toda Prova e Minha Vida com Liberace, Soderbergh adotou o singelo nome de Mary Ann Bernard. Fernando Pessoa, com certeza, aprovaria a escolha…

 

 

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on TumblrEmail this to someone

Jornalista, fã incondicional de Nick Hornby e coautor do livro inédito Cine Belas Artes: Um Olhar Sobre os Cinemas de Rua de São Paulo. Ainda não viu nada melhor que Asas do Desejo, de Wim Wenders... Mas Beleza Americana chegou perto. e-mail: cristiano@setimacena.com